Belo Monte: relatório revela ameaça de debacle financeira para futuros investidores

Bancos públicos e privados, fundos de pensão e outros investidores, receberam hoje (19) o link de acesso ao relatório que alerta para os riscos que podem enfrentar caso concordem em financiar a UHE Belo Monte, no rio Xingu (PA).

O relatório "Análise de Riscos para Investidores no Complexo Hidrelétrico Belo Monte", elaborado pelas ONGs Amigos da Terra - Amazônia Brasileira,  International Rivers e especialistas demonstra que instituições financeiras que vierem a investir em Belo Monte podem sofrer prejuízo financeiro, uma vez que o desempenho da hidrelétrica não compensaria seu custo.

Além disso, por ser um projeto que enfrenta resistência de movimentos sociais, de populações tradicionais e de povos indígenas, e que se viabilizado causaria impactos socioambientais imensuráveis, Belo Monte poderá levar a danos à imagem de empresas e instituições. "Bancos e outros financiadores devem enfrentar riscos financeiros e de reputação, dado o enorme potencial de danos ambientais e sociais", explica o coordenador de Eco-finanças de Amigos da Terra e co-autor do relatório, Roland Widmer.

Segundo o relatório, as instituições financeiras que decidirem investir no projeto de construção de Belo Monte poderão ser co-responsabilizadas por danos sociais e ambientais decorrentes.

Ações judiciais

Além das questões financeiras e dos impactos socioambientais, as empresas e instituições – públicas e privadas - envolvidas no projeto já enfrentam ações judiciais.  Até o momento, o Ministério Público Federal e organizações da sociedade civil ajuizaram dez Ações Civis Públicas (ACPs) diferentes que questionam as ilegalidades do processo de licenciamento ambiental.
"Apenas o reassentamento forçado de comunidades indígenas que vivem ao longo da Volta Grande do Xingu - um trecho de 100 km onde o rio será desviado para canais artificiais para gerar eletricidade - pode resultar em ações de até um bilhão de dólares", explica o procurador da República Felício Pontes.

O consórcio responsável pelo empreendimento e investidores  já enfrentam denúncias sobre violações de acordos internacionais de direitos humanos e proteção ambiental na Comissão de Direitos Humanos da ONU e na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA. A Avaaz deu início a uma campanha mundial para obter assinaturas na petição contra Belo Monte.  Fonte Eco-Finanças 

Para baixar o relatório Mega-Projeto, Mega-RiscosAnálise de Riscos para Investidores no Complexo Hidrelétrico Belo Monte, clique AQUI 

Para assinar a petição “Pare Belo Monte: não à mega usina na Amazônia”, clique aqui

Comentários

  1. A exemplo de Itaipu, agora esta aí o desastre ... os rios fluem para o mar em seu devido tempo , as represas lagos artificiais geram massas de nuvens ,enormes, q obviamente desaguam sobre as cidades... esperemos q novas catastrofes sejam impedidas pelo bom uso da razao...

    ResponderExcluir
  2. já era esperado dificuldades considerando o baixo preço do MwXhora que só pode ser suportado por empresas estatais financiadas pelo setor público.
    Mas, o pior é o que está por vir: a construção dos 'linhões' de interligação que sequer foram licitados. Esta é mais uma frente de lutas que ambientalistas vão ter de enfrentar. Coragem!
    hugo siqueira, ribeirinhode furnas, CISLAGOS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Povo Munduruku representado em Berlim: "A luta é de todos nós!"

Violação psíquica e física, é o que sinto ao ouvir Jair Bolsonaro

Quando vamos agir para resgatar nossa integridade?